Fórum de Reflexão Económica e Social

«Se não interviermos e desistirmos, falhamos»

quarta-feira, abril 25, 2018

Cegueira

(Fotografia tirada às 23h16m de 24 de abril de 2018, em Setúbal, na Praça de Bocage,
durante mais um concerto fabuloso da banda UHF, repartido entre
temas da própria banda e músicas de Zeca Afonso)



O FRES Democracia elogia veementemente o que Abril fez, mas não deixa de lembrá-Lo (Abril) do que se tem esquecido de fazer. Hoje é um dia de realidade e de esperança. Sem rascunhos. A "raiva" que falta a Portugal, ao Povo maiúsculo e aos políticos minúsculos somente desaparecerá quando a verdade se transformar em Verdade. No entretanto a Cegueira impera, o povo permanece minúsculo e os Políticos continuam maiúsculos.



               Tu serás o que sonhares
               Mais o que concretizares
               Sociedade hipotecada
               Fora de tempo gerada

               Sonho afiado em esmeril
               Após chuvada de abril
               Melhor água nunca houvera
               Irrompida em primavera

               Ano em que a força regou
               O que o silêncio secou
               Raiou outra confiança
               Que aclamou a fácil esperança

               Mas os filhos da vontade
               Beberam agre verdade
               Unidade engavetada
               Flébil razão refutada

               Alegria sedutora
               Tristeza triunfadora
               Jamais nasce nova era
               A raiva de ti se espera

               A rota da coerência
               E o golpe da consciência
               São a única aliança
               Senão a cegueira avança

segunda-feira, março 05, 2018

Liverdade – O balanço final

(Ilustração de Sandra dos Santos)

Descanso da Liverdade

Aquando da divulgação do post «Resposta à Liverdade – Barómetro da educação ou da democracia?», em 15 de novembro do ano transato, foi referido (no derradeiro parágrafo da secção B) que, passados alguns meses após a receção da última resposta à Liverdade, seria publicado – livre de rascunhos e de (des)formatações – um verbete contendo a atualização do quadro 1 constante desse post, bem como a identificação das entidades que entretanto respondessem. Eis portanto a razão principal do presente texto: declarar o descanso da Liverdade, iniciativa tomada por sua livre vontade e jamais por caprichos de administrações ou teclados azuis.
Não será necessário esperar mais tempo. Dois meses após o envio da última resposta são mais que suficientes para poder efetuar‑se o balanço definitivo já anunciado. Aproveita‑se o ensejo, e à guisa de desfecho da Liverdade na Democracia e na Economia – divulgada a partir de 13 de julho de 2017 –, para apresentar o respetivo «Sumário», para transcrever a redação inscrita em «Apresentação», e ainda para expor as duas quadras inscritas no fim da publicação (referentes a temas distintos entre si, concretamente a atuação de determinadas gráficas e editoras).

«Resposta à Liverdade – Barómetro da educação ou da democracia?»
Os quadros 1 e 2 refletem a difusão da Liverdade e as respostas, por tipo de destinatários, que a publicação granjeou. O quadro 1 é igual ao publicado em 15 de novembro p.p. – com a exceção da caixa de texto agora colocada no canto superior esquerdo –, enquanto o quadro 2 consiste na versão considerada definitiva – i.e., mesmo que alguma resposta possa ainda chegar, já não relevará para efeitos da atualização do quadro.




Em 15 de novembro previu‑se que «É deveras improvável que o pendor dos ecos da Liverdade seja alterado nos próximos tempos», suspeita que naturalmente acabou por confirmar‑se. No quadro 3 identificam‑se as seis entidades incluídas no quadro 2 que não constavam do cômputo do quadro 1. Esta meia dúzia de respostas foi recebida entre 21 de novembro de 2017 e 4 de janeiro de 2018.







Liverdade na Democracia e na Economia

Páginas 5-8
«
SUMÁRIO(1)
Apresentação                                                                                                                  9
Parte I – Reflexões sobre a democracia
Capítulo I – Liverdade para honrar Abril
• Muita Pátria e pouco Povo                                                                                      16
• Liverdade                                                                                                              21
• Da semente da verdade ao fruto da liverdade                                                          25
• Viagem da Liverdade a Portugal                                                                               51
• Carta aberta a Abril Amigo                                                                                      60

Capítulo II – Democracia e abstenção
• O povo, as saturninas parlamentares e a democracia desalinhada                             66
• Abstenção lusitana – Quo vadis?                                                                              75
• Ou abstenção crescente ou prospetos eleitorais simplificados                                   98
• Os burros e as opiniões                                                                                         121

Capítulo III – Outras reflexões sobre a democracia
• Humildade para entender o futuro da democracia                                               124
• A quinta dinastia e a utopia da convergência estratégica                                    133
• Dos cravos da esperança à revolução em liberdade                                              138
• Se Abril mandasse                                                                                             141
• Império dos enteados ou democracia empalada?                                                  142
• Tartarugas, jacaré e lagartixa                                                                            145
• Pássaro democrático                                                                                          147
• Petróleo, dinheiro e povo                                                                                   149

Parte II – Reflexões sobre a economia
Capítulo IV – Dívida pública e imposto sucessório(2)
• Zerar para ressuscitar e criar oportunidades sustentáveis                                     154
• A utopia do novo pensamento e a indefinição democrática                                    175
• O PIB entre a dívida pública e a dívida externa                                                     181
• Riquezas semelhantes mas diferentes                                                                  199
• A isenção fiscal das heranças e a caridade                                                            211

Capítulo V – Distribuição e pobreza
• A política, o humanismo e a pobreza                                                                   222
• A pobreza e as políticas redistributivas buridanianas                                            227

Capítulo VI – Parcerias público‑privadas
• PPP lusitanas – Das permanentes fantasias à efetiva solução                               248
• As PPP lusitanas e a desinformação jornalística                                                  264

Capítulo VII – Competitividade
• Competitividade – Do elixir do crescimento aos planos quinquenais de
 pensamento                                                                                                     268
• Competitividade ou dívida pública?                                                                     280

Capítulo VIII – Mercado do vinho
• O preço do vinho e os mercados imperfeitos                                                       288
• A placebomania dos mitos e o preço do vinho                                                      299

Capítulo IX – Outras reflexões sobre a economia
• O PIB mundial, os deuses e outras variáveis                                                        346
• Turismo – O nosso petróleo renovável                                                                 365
• Sombra do petróleo e luz da democracia                                                              370

Parte III – Outras reflexões cívicas
Capítulo X – Funcionamento da justiça
• O réquiem pela justiça e a operação Mãos Dadas com Abril                                 378
• Combate à corrupção – Coragem somente em comunistas e bloquistas                 392
• Évora, 21 de janeiro de 2015 – Excursão da interioridade ou inferioridade?           401

Capítulo XI – Significado de direitos adquiridos
• Os direitos adquiridos e a (dis)função sindical dos tempos modernos                   404
• Dos sofismas constitucionais à explosão da injustiça                                           411

Capítulo XII – Reduto do poder local
• O anacronismo do atual modelo autárquico                                                          430
• O brilho fiscal dos municípios                                                                              453

Capítulo XIII – Contratos de associação na educação
• Serviço Nacional de Educação e livre escolha subsidiada – Argumentos
 [i(deo)]lógicos                                                                                                  462
• A homilia de Fátima e os contratos de associação                                                484

Capítulo XIV – À volta do fisco
• Fatura da Sorte – O conteúdo menor de um objetivo maior                                 488
• IUC – Imposto direto ou indireto?                                                                       495
• O IRS e o logro das faturas                                                                                498
• No meio da encruzilhada entre as Finanças e o IMTT                                           501

Capítulo XV – FRES - Fórum de Reflexão Económica e Social
• Pluralismo de borla                                                                                              510
• Eclipses dos sistemas de pensamento                                                                   512
• A responsabilidade cívica e as moléculas do futuro                                                516
• Catraio de quase 10 anos – Da origem ao destino                                                  525

Capítulo XVI – Soltas reflexões
• Empreendedorismo emocional, engenharia social ou inteligência financeira?   530
• De poucos à multidão                                                                                           535
• Noites da escuridão                                                                                              537
• Os dois lados do bacalhau                                                                                     538
• Dia do Trabalhador – Exemplos para todos os gostos                                               547
• Descrédito das forças de segurança - Umbiguismo e recuo dos
   espermatozoides                                                                                                  550
• Afinal quem são os genuínos piratas informáticos?                                                  552
• «Este parte, aquele parte» – Da utopia ao dogma                                                    556
• (Re)petições linguísticas ou (re)petiçones lhenguísticas?                                         559
• Eu acima dos meus – Especialização do egoísmo                                                     568

Índice de figuras                                                                                                          571

(1) Por opção, a numeração dos capítulos é sequencial, portanto independente das (três) partes a que eles pertencem.

(2) Em rigor, dever‑se‑ia ter autonomizado a dívida pública do imposto sucessório. Tal não foi possível porque o documento «Zerar para ressuscitar e criar oportunidades sustentáveis» desenvolve esses dois temas fraturantes hibernados na sociedade portuguesa. Ademais, cumpre reconhecer que o tema da dívida pública – a referência destacada deste tema justifica‑se pela importância que ele reveste para o futuro da Nação – não se esgota no Capítulo IV, o mesmo acontecendo com outros temas (que são abordados em mais do que um capítulo).
»

Páginas 9-12
«
APRESENTAÇÃO
                Liverdade na Democracia e na Economia nasceu do simples encontro de reflexões. Consiste na concatenação de dezenas de textos escritos por David Dinis, publicados no blogue e no site do FRES - Fórum de Reflexão Económica e Social, durante quase três anos, concretamente de 3 de julho de 2013 a 15 de maio de 2016. É um livro sem sê‑lo.
                Trata‑se de uma compilação de matérias de política (também económica) e de economia (incluindo política). Divide‑se em três partes: democracia, economia e outras áreas avulsas (ainda que muitas destas tenham ligação à política e à economia). Tem, por conseguinte, uma natureza abrangente.
                Duas razões primaciais estão na base da decisão – tomada no início de fevereiro de 2017 – de publicar este não‑livro: uma geral e outra especial. Defender a importância da liverdade, o elemento essencial das democracias consolidadas, constitui a razão geral. Liverdade na democracia, na economia, e em tudo o resto.
                O pensamento sustentável nasce da liverdade, e por isso implica a reforma da liberdade. Reveste uma forma superior – constantemente nobre, ainda que tantas vezes pobre – de saber: o saber estar, de hirta consciência, na sociedade, em liberdade e com verdade. Caracteriza‑se por ser um saber que concilia o poder e a humildade, porquanto não há maior poder do que a liberdade, nem maior humildade do que a verdade. Se bem que o saber seja poder – como há séculos se alude, desde os primórdios do iluminismo –, um facto de força semelhante é o de que não há saber sem humildade. Portanto, sempre que o pensamento sustentável brota, impõe‑se o poder da humildade, o supremo estádio dos regimes democráticos – os que vivem com liverdade.
                A razão especial reside na intenção de destacar «Zerar para ressuscitar e criar oportunidades sustentáveis», documento anatematizado por praticamente todos, dentro e fora do FRES. Tendo em conta as reações que acolheu, trata‑se porventura de um documento que serve de barómetro da sociedade portuguesa.
                Quando o FRES decidiu que iria publicar um livro (Desistir É Falhar!, editado em janeiro de 2015) – assente em textos de reflexão elaborados pelo próprio Grupo –, alguns membros sugeriram a inclusão de trabalhos individuais entretanto publicados. Ao princípio David Dinis não apoiou incondicionalmente tal ideia – por constituir uma exceção à matriz do livro –, mas acabou por não se opor à decisão tomada quase em uníssono pelos membros do Grupo. Foi então que ele defendeu, calorosamente mas em vão, a inclusão do citado documento, tendo o Grupo optado, ao invés, pelo texto «O anacronismo do atual modelo autárquico», opção também tomada pela circunstância de este texto, antes da sua publicação, ter sido objeto de análise prévia no seio do Grupo.
                Sublinhe‑se porém que esta razão especial não significa que por parte do autor haja sido efetuada sequer uma mínima seleção dos textos incluídos na presente compilação. Pelo contrário: tudo é joio, ou tudo é trigo. Cabe a cada pessoa avaliar o que para si é joio e o que para si é trigo e, se assim entender, separá‑los.
                Se alguém tiver a paciência de analisar o que aqui consta, concluirá que não foram abordados ou aprofundados assuntos relacionados com o setor bancário nem com demais atividades financeiras. Não por escassez de assuntos, mas tão‑só para evitar que o autor seja acusado de poder, ainda que involuntariamente, ter utilizado informação privilegiada.
                Com efeito, o cuidado permanente de distinguir a função profissional do domínio pessoal levá‑lo‑ia inevitavelmente a não violar o dever de sigilo imposto a qualquer trabalhador, pelo que usaria somente informação de acesso público. Todavia, para garantir totalmente a ausência de críticas, motivadas pelo conflito entre o profissional dever de sigilo e o pessoal dever cívico, sacrificou o segundo em detrimento do primeiro.
                Estando os textos confinados ao triénio de 2013 a 2016, por um lado, e sendo as reflexões assertivas e muitas vezes acutilantes, por outro, é admissível que, ao ler‑se superficialmente os textos, caia‑se na perceção que a redação denota críticas dirigidas ao XIX Governo Constitucional – de junho de 2011 a outubro de 2015. Longe disso. Bastantes críticas apontadas permanecem válidas, visto que o XXI Governo – o XX Governo conta unicamente para efeitos de memória histórica, pois durou menos do que um par de meses – pouco ou nada produziu para inverter o sentido da maioria das observações tecidas. Ou seja, diversos textos revestem uma forte natureza política, mas estão despidos de roupagens partidárias.
                Importa acrescentar que as abordagens seguidas são totalmente pessoais, tendo as análises quantitativas efetuadas e as figuras apresentadas – esquemas, gráficos e quadros – resultado em exclusivo do tratamento e do processamento de informação que o autor recolheu. Esta observação, à partida dispensável, decorre das frequentes questões que lhe foram colocadas, nomeadamente acerca da proveniência de figuras que publicou.
                Por não ser um livro, felizmente o trabalho ficou deveras facilitado. Logo, dispensou‑se uma série de formalismos e de cerimónias. Aliás, se o próprio autor só foi registado algumas décadas depois do seu nascimento, seria quase inimaginável pensar em editores, promotores, patrocinadores, prefaciadores, ou até revisores, assim como em qualquer espécie de sessão de lançamento.
                Por os revisores terem sido dispensados, há desde já que pedir desculpa pelas gralhas que forem detetadas. De igual modo, cumpre reconhecer a fraca qualidade e o insuficiente rigor que as figuras apresentam, factos imputáveis ao autor, por ter prescindido das técnicas aplicáveis à edição gráfica.
                No penúltimo parágrafo foi realçado que, por não ser um livro, felizmente o trabalho ficou deveras facilitado. E porventura dificultado, cumpre acrescentar. Desde o início da tomada de decisão de levantar o presente trabalho até ao momento de o dar por terminado – o que sucedeu após terem sido efetuadas duas leituras de revisão – bastou gastar pouco mais de dois meses. Esgotou‑se semelhante período de tempo para que, apenas em meados de junho, se conseguisse vislumbrar a luz da impressão (ou da fotocópia) ao fundo do túnel. Problemas de diversa natureza – mas não financeira – iam surgindo. Com suficiente paciência e resistente persistência os problemas acabaram por ser finalmente ultrapassados.
                David J.C. Dinis é um dos membros fundadores do FRES. Nasceu em 1968, mas só foi oficialmente crismado em 2013, como o próprio correio eletrónico sugere (daviddinis2013@gmail.com). Crisma fortuito, pois em vez de ter ficado Dinis qualquer coisa, ficou qualquer coisa – David, por acaso – Dinis.
                Para além – ou apesar – de ser um acérrimo amigo da liberdade, o autor encontra‑se livremente preso a um valor não menos nobre do que a liberdade: a verdade. Para si a liverdade constitui o maior vício de conforto pessoal, usufruído na sua zona de eleição, não fosse a liberdade o vício de eleição e a verdade a zona de conforto. Não admira pois que o alfa e o ómega da compilação das reflexões seja a liverdade. Pode ser exportada para todo o lado, mas é aqui, em Portugal, que deve engrossar as principais raízes.
                Por fim, respeite‑se um requisito da praxe: os agradecimentos. O autor está bastante grato aos poucos que iam lendo os textos publicados. E ainda mais aos raros que, após lerem e entenderem‑nos, tiveram a hombridade de os criticar. Ele quer também endereçar uma palavra especial de apreço ao Paulo J.S. Barata, pela permanente disponibilidade para esclarecer diversas dúvidas inerentes ao processo de edição do trabalho, bem como pelas valiosas sugestões que, no decurso do esclarecimento das dúvidas, ia transmitindo e desse modo em muito contribuíram para melhorar o resultado final.
                Obrigado às pessoas e às instituições que simpaticamente receberão este não‑livro, e ainda mais às que honestamente o irão aceitar, concordando com algumas ideias ou discordando de outras. Obrigado ao FRES, onde a política, a religião e demais ideologias e convicções são ofuscadas perante a luminosa cidadania. «Desistir é falhar». Livres e ricos são os indivíduos que pensam e criam verdade.
»

Página 576
«
                                Quando a press não tem pressa, mas aposta
                                E o Euro dorme mudo e sem resposta
                                A ventura seca e cessa num vaivém
                                Volta o Euro não ao Escudo mas vintém





                                Não é grã e muito menos será diva
                                A comparsa de silêncios – inativa
                                Ela imprime sons amenos, mas não sente
                                Que o desdém grita e vence‑os felizmente
»

domingo, janeiro 21, 2018

Carril em glosa


O mote instantâneo nasceu em 12 de setembro do ano transato. A glosa acalmada, prevista para aparecer meio ano mais tarde, acabou por impor-se antecipadamente. O silêncio foi o mestre e o vazio o maestro.

O dia de ontem, cerca de nove meses após o último vivo e revigorante encontro de amizade entre os elementos do grupo, conduziu à antecipação - sem rascunhos - da programada resposta glosada à saudade. O horizonte apresentou-se defronte, livre e honesto, natural e genuíno, impelindo o tempo a apressar-se.

                         Naquele carril da morte tudo acaba
                         Meninas de olhos nus amordaçados
                         Lembrando o futuro que desaba
                         O fumo sobe e grita aos céus calados

                         O Almo assiste a tanta injustiça
                         Mas pensa que é forte; até se gaba
                         Que tudo ele levanta; só enguiça!
                         Naquele carril da morte tudo acaba

                         Cordão umbilical da amizade
                         Desfez-se com a luz de sóis fechados
                         O escuro é afinal a voz que invade
                         Meninas de olhos nus amordaçados

                         Viagem duradoura para cumprir
                         Destino feito apuro que aldraba
                         Ausência que desdoura o devir
                         Lembrando o futuro que desaba

                         Revolta é o que resta - a alma sente
                         Pergunta à desdita: que pecados?!
                         O ar já pouco presta, está doente
                         O fumo sobe e grita aos céus calados